Agroecologia na América Latina – Um futuro necessário

Editorial

A agroecologia tem crescido em todo o mundo, mas é na América Latina que suas experiências estão mais fortes e consolidadas. Poucos fenômenos são tão fundamentalmente latino-americanas quanto a agroecologia. Em reconhecimento à importância dessa ciência, movimento social e acervo de práticas que condensa inúmeras experiências revolucionárias e de resistência na América Latina, a Fundação Heinrich Boll decidiu produzir sua primeira publicação própria unindo esforços de todos seus escritórios latino-americanos. Foi uma longa trajetória de reuniões e levantamentos de experiências com parceiros que atuam na cena agroecológica em diferentes países.

O resultado é o dossiê “Agroecologia na América Latina”, cujos artigos exploram as diferentes dimensões que, como um sistema agroflorestal, se consorciam na formação da prática agroecológica. A maioria dos artigos foi escrita por múltiplas mãos, que juntas extrapolaram as fronteiras nacionais para sistematizar exemplos que provam a força da agroecologia no combate ao avanço de outras fronteiras: agrárias, minerárias, energéticas, madeireiras. No resultado, fica evidente o protagonismo das comunidades camponesas, indígenas e quilombolas em um processo de manutenção e resgate de séculos de saberes científicos, tradicionais e identitários em torno do plantio, da transformação de alimentos, da preservação das sementes e de outras formas, não predatórias, de se relacionar e habitar os territórios.

Boa leitura,
Annette von Schönfeld, Marcelo Montenegro e Julia Dolce

Documentário mexicano sobre impactos da crise climática na população mexicana

EL TEMA: CDMX - ALIMENTO - La Corriente del Golfo

video-thumbnail Watch on YouTube

Mais publicações

Era assim ou foi veneno?

Era assim ou foi veneno?

A cartilha é uma produção do Fórum Nacional da Sociedade Civil nos Comitês de Bacias Hidrográficas, em parceria com a Fiocruz e Embrapa Pantanal, e busca ampliar o olhar das comunidades tradicionais para os impactos do veneno em seu dia a dia, fortalecendo o enfrentamento do problema da contaminação por agrotóxicos no Brasil.
Capa da publicação

Brasil, do flagelo da fome ao futuro agroecológico

Para fortalecer a produção e troca de conhecimentos sobre o papel das políticas públicas para a soberania e segurança alimentar, a Articulação Nacional de Agroecologia lançou a publicação “Brasil, do flagelo da fome ao futuro agroecológico: uma análise do desmonte das políticas públicas federais e a agroecologia como alternativa”. A pesquisa é resultado de um estudo sobre o desmonte das políticas públicas federais de segurança alimentar e nutricional dos últimos anos e também mostra a agroecologia como alternativa para o fim da fome, para a justiça social e contra as mudanças climáticas.
Capa da publicação

Agrotóxicos e violações de direitos humanos no Brasil

As exposições forçadas a agrotóxicos impactam uma gama de direitos humanos econômicos, ambientais, sociais e culturais (DHESCA) das populações atingidas. E são as comunidades camponesas, povos indígenas e comunidades tradicionais os mais expostos e vulneráveis a tais violações. Essa colaboração entre a Terra de Direitos e a Campanha permanente contra os agrotóxicos estuda os meios jurídicos de responsabilizar o uso criminoso de agrotóxicos, abordando o por quê de ainda haver poucos profissionais que atuam no Sistema de Justiça capacitados sobre a temática, como funciona a pirâmide normativa brasileira sobre agrotóxicos e as lacunas enfrentadas.
Capa da cartilha Sementes da agroecologia. Sementes da vida.

Sementes da agroecologia. Sementes da vida.

Elaborada pela Rede Semente de Agroecologia (ReSA), com apoio da Terra de Direitos e Fundação Heinrich Boll, a cartilha é destinada para guardiãs e guardiões de sementes, camponesas e camponeses, povos e comunidades tradicionais, pesquisadores e sociedade em geral.  

Expediente

O dossiê “Agroecologia na América Latina – Um futuro necessário” foi concebido pelo grupo de coordenadores das áreas de justiça socioambiental da Fundação Heinrich Böll, em 2019, tendo passado por muitos debates, investigações, redações e reescritas, além da análise e intervenção por acadêmicos, jornalistas, de diagramadores e muitas outras pessoas que foram consultadas pelas equipes da Fundação Heinrich Böll nos escritórios da América Latina. Por isso, os artigos são uma construção coletiva e não há assinatura de autoria nos textos.

Colaboradores nesta publicação

Funcionários da Fundação Heinrich Böll: Ingrid Hausinger (escritório de San Salvador, América Central), Marcelo Montenegro (escritório do Rio de Janeiro), Emilia Jomalinis Joana Simoni, Maureen Santos (anteriormente escritório do Rio de Janeiro), Dolores Rojas e Jenny Zapata (escritório do México); Natalia Orduz Salinas (ateriormente escritório da Colômbia), Gloria Lilo (anteriormente escritório do Chile), Pablo Arístide (escritório da Argentina).

Colaboração científica: Rodica Weitzman, Marcus Vinicius Branco de Assis Vaz (tradução para o espanhol das informações sobre o Brasil), Dulce Espinosa e Luis Bracamontes (informações sobre o México), Julián Ariza, Irene Mamani Velazco, Henry Picado Cerdas (Costa Rica), Corporación Ecológica y Cultural Penca de Sábila.

Design gráfico e diagramação: Corporación Proyecto NN (Colômbia), Domingos Savio (Brasil).

Edição e correção de testes: Corporación Proyecto NN, Poliana Dallabrida (Brasil), Red de coordinación en biodiversidad (Costa Rica), Pablo Arístide, Joana Simoni, Emília Jomalinis.

Autores convidados: Giuseppe Bandeira, Julia Dolce, Nemo Augusto Moés Côrtes.

Tradução e revisão em português: Rosita Ueno.

Webdesigner: FW2 Agência Digital.

Assistente de Webdesigner: Víctor Ribeiro.

Edição finalizada em 2023 em português: Julia Dolce, Marcelo Montenegro, Annette von Schönfeld – Fundação Heinrich Böll – escritório do Rio de Janeiro.