Cidade olímpica para quem?

Cidade olímpica para quem?

Praça Mauá Praça Mauá, Centro do Rio – Creator: Ines Thomssen. Creative Commons License LogoEsta imagem está sob licença de Creative Commons.

Os Jogos Olímpicos levarão para o Rio cerca de 500 mil pessoas. Esta informação pode levar facilmente um leitor desavisado a pensar em geração de emprego, aumento do turismo, investimento em esporte e um legado que pode tornar a vida dos moradores da cidade anfitriã muito melhor, em relação à mobilidade urbana, às decisões sobre os gastos, à criação de equipamentos públicos, entre outros índices que medem a qualidade de vida de uma população. Mas será que é só isso o que está acontecendo na Cidade Olímpica? Denúncias da sociedade civil e de parte da imprensa também apontam um conjunto de questões que estão reforçando um modelo de cidade-negócio que acirra desigualdades e configura violações de direitos.

Em meio a tantas contradições, a Fundação Heinrich Böll convidou pesquisadores, ativistas, jornalistas e representantes de Ongs de defesa de direitos para discutirem as consequências e os problemas ligados a preparação da cidade para os Jogos 2016. O resultado é o "Dossiê: Jogos Olímpicos 2016," disponível em português, alemão e em breve em inglês, uma coletânea de 12 artigos, vídeos, infográficos e estudos onde são analisados temas como a despoluição da Baía de Guanabara, mobilidade urbana, transparência e gastos, o caso da Vila Autódromo, desigualdade de gênero no esporte e segurança pública.

 

 

Conteúdo relacionado

  • Por trás dos jogos do Rio

    Dois anos depois da vitória da seleção alemã na final da Copa do Mundo de Futebol, mais uma vez o Rio de Janeiro está no foco das atenções. Quem vai lucrar e quem vai pagar a conta dos Jogos Olímpicos 2016? 

    por Barbara Unmüßig
  • O reverso da medalha: Megaeventos no Brasil e o direito à cidade

    Quem critica os megaeventos esportivos pode até ser visto como estraga-prazeres. Porém, é possível gostar do esporte profissional e, ao mesmo tempo, ser crítico em relação aos atuais megaeventos. A experiência brasileira com a Copa do Mundo de Futebol de 2014 e as Olimpíadas de 2016 explica os motivos.  

    por Dawid Bartelt
  • O que escondem os gastos dos Jogos?

    pdf

    Desvendar o orçamento dos Jogos 2016 é uma tarefa que exige esforço. Oficialmente mais de R$ 39,07 bilhões, cerca de 10 bilhões de euros, já foram gastos com os Jogos e a Prefeitura argumenta que a maioria dos recursos seria de origem privada, mas isso não é bem assim.

  • Anéis fechados

    Obter detalhes sobre projetos e acordos entre o poder público e empresas é um desafio para pesquisadores, jornalistas e população em geral. A omissão de gastos, a falta de transparência e a pouca participação da sociedade nas decisões, em especial dos afetados pelas obras, é um dos problemas da preparação para os Jogos.

    por Ítalo Nogueira

0 Comments

Adicione

Adicione