Seminário: Defesa da Democracia em Tempos Ultraconservadores

Seminário: Defesa da Democracia em Tempos Ultraconservadores

O Seminário "Defesa da democracia em tempos ultraconservadores", que acontecerá nos dias 23 e 24 de agosto no Complexo da Maré, promoverá um debate democracia e reflexões sobre iniciativas que combatem os retrocessos em curso. O evento contará com a presença da jornalista Flávia Oliveira e Sueli Carneiro, do Geledés - Instituto da Mulher Negra.  Para participar é preciso se increver aqui.  A Fundação apoia a iniciativa. 

Davi Marcos - Imagens do Povo
Imagens do Povo - Observatório de Favelas — Créditos da imagem

Nos dias 23 e 24 de agosto, o Complexo da Maré será sede do seminário “Defesa da Democracia em tempos ultraconservadores”, evento organizado pelo Observatório de Favelas em parceria com a Uniperiferias, Redes da Maré e Casa Fluminense e apoio da Fundação Heinrich Böll Brasil. A agenda, que acontece na sede do Observatório e no Galpão Bela Maré, busca mobilizar moradores e organizações da sociedade civil da região metropolitana do Rio de Janeiro e marca também o momento em que o Observatório de Favelas completa 18 anos de existência.

Serão dois dias de encontros priorizando temas centrais em defesa da Democracia. As mesas serão compostas por nomes como Sueli Carneiro, Geledés - Instituto da Mulher Negra; Lívia Casseres, Defensoria Pública do Rio de Janeiro; Gilmara Cunha, Grupo Conexão G de Cidadania LGBT de Favelas; Flávia Oliveira, jornalista, apresentadora e integrante do Conselho Estratégico do Observatório de Favelas.

O objetivo é debater o tema e propor iniciativas coletivas que contribuam para a defesa da democracia e o enfrentamento dos retrocessos em curso no país. O encontro marca a celebração de 18 anos do Observatório de Favelas e espera contribuir para o fortalecimento de articulações da sociedade civil em torno de uma agenda comum para a defesa de direitos, com ênfase no protagonismo político de grupos e organizações populares. 

No primeiro dia a agenda acontece na sede do Observatório de Favelas. Já o segundo dia será no Galpão Bela Maré. A festa de encerramento fica por conta do rapper Nyl MC e roda de samba com o grupo Batuque do Kimer. 

Programação

Sexta-feira, 23 de agosto, às 18h30

Boas-Vindas

Observatório de Favelas

Fundação Heinrich Böll Brasil

Mesa de abertura: 

Sueli Carneiro, Geledés - Instituto da Mulher Negra

Wesley Teixeira, Movimenta Caxias

Aline Maia, Observatório de Favelas

Mediação: Jailson de Souza e Silva, Uniperiferias

Local: sede do Observatório de Favelas 

Endereço: Rua Teixeira Ribeiro, 535, Maré (esquina com passarela 9 da Avenida Brasil)

Sábado, 24 de agosto 

10h

Mesa "Direito à Vida como Fundamento da Democracia"

Lívia Casseres, NUCORA - Defensoria Pública do RJ

Rede de Mães e Familiares da Baixada Fluminense

Rafaela Albergaria, Centro de Referência de Mulheres Vítimas de Violência

Mediação: Raquel Willadino, diretora do Observatório de Favelas

14h

Mesa "Comunicação, Cultura e Política na definição do sentido da Democracia"

Flávia Oliveira, Conselho Estratégico do Observatório de Favelas

Márcio Black, Fundação Tide Setubal

Morgana Eneile - Adoulas RJ

Mediação: Jorge Barbosa, diretor do Observatório de Favelas

16h

Mesa "Mulheres negras, indígenas e LGBTs diante das reações conservadoras"

Gilmara Cunha, Grupo Conexão G de Cidadania LGBT DE Favelas

Rosi Almeida, Quilombo do Camorim

Marize Vieira de Oliveira, Associação Indígena da Aldeia Maracanã

Mediação: Priscila Rodrigues, coordenadora de comunicação do Observatório de Favelas

Sexta-feira, 23 de agosto, às 18h30

Local: sede do Observatório de Favelas 

Endereço: Rua Teixeira Ribeiro, 535, Maré (esquina com passarela 9 da Avenida Brasil)

Sábado, 24 de agosto, das 10h às 20h

Local: Galpão Bela Maré

Endereço: Rua Bittencourt Sampaio, 191, Maré (entre as passarelas 9 e 10 da Avenida Brasil)

Para se inscrever, clique aqui 

 

Conteúdo relacionado

  • Desafios globais em tempos de conservadorismo e intolerância

    O avanço do conservadorismo fundamentalista e da intolerância é um fenômeno que afeta países de diversos continentes. A roda de conversa "Desafios globais em tempos de conservadorismo e intolerância" colocou em debate o controle e a repressão enfrentados pela sociedade civil hoje e as estratégias possíveis de reação.  

    por Gabriela Pingarilho
  • Mobilidade Urbana e o impacto da violência na vida das favelas no Rio de Janeiro

    O artigo “Mobilidade Urbana e o impacto da violência na vida das favelas no Rio de Janeiro” disserta sobre um estudo feito em parceria com a Fundação Heinrich Böll onde revela os efeitos da violência urbana, intensificados pela ostensiva militarização da vida nas favelas que impactam de modo contundente e imediato o modo como o morador de favela acessa a cidade que habita. Com ênfase na comunidade do Complexo do Alemão, que teve um agravamento na violência após invasões e ocupações em algumas casas de moradores por parte da polícia militar da UPP da favela de Nova Brasília em fevereiro de 2017.  

    por Sérgio Veloso, Vinícius Santiago
  • Raízes: a resistência no Alemão em forma de cultura

    O Complexo do Alemão voltou a viver um aumento nos níveis de violência. No entanto, nem tudo é para se lamentar. Parceiro da Fundação Heinrich Böll, o Instituto Raízes em Movimento atravessa essa situação de forma exemplar. Mesmo diante desse quadro de violações constantes, o trabalho foi amplificado e diversificado. A Fundação entrevistou um dos fundadores do Raízes, Alan Brum Pinheiro. Articulado e combativo, Alan falou do momento difícil em que vivem as Favelas do Alemão, mas descreveu o avanço das ações culturais e políticas da sua organização.