Cadernos Religião e Política

Cadernos Religião e Política

No Dia nacional de combate à intolerância religiosa lançamos junto com nossa parceira KOINONIA Presença ecumênica duas publicações: "Caminhos abertos para superar o ódio e a intolerância religiosa na Bahia” e “Por uma perspectiva afrorreligiosa: estratégias de enfrentamento ao racismo religioso”.

 

Baixe aqui na íntegra "Caminhos abertos para superar o ódio e a intolerância religiosa na Bahia” “Por uma perspectiva afrorreligiosa: estratégias de enfrentamento ao racismo religioso”.

VI Caminhada do Povo de Santo do Nordeste de Amaralina
VI Caminhada do Povo de Santo do Nordeste de Amaralina, Salvador (BA), 2018 — Créditos da imagem

 

A história da luta das negras e negros no Brasil pela sua liberdade e igualdade começa quando os primeiros aqui chegaram vindos escravizados nos tumbeiros, como eram chamados os navios que trouxeram cerca de três milhões de pessoas para as terras brasileiras. O legado histórico de tantos homens e mulheres amalgamou o Brasil de hoje. Mas o processo de escravização deixou sua raiz perversa na formação da sociedade brasileira. Entendê-lo e superá-lo é tarefa com a qual nos debatemos todos os dias. Em muitas arenas houve avanços, conseguidos a partir da resistência, das alianças, da rebelião, do convencimento, da justiça, da política, da reza, do canto, da dança.

O racismo, em sua versão religiosa, fez aumentar o número de casos de violência contra terreiros, centros e roças de Candomblé e Umbanda ao longo do território brasileiro. A resposta também está sendo dada, a partir de iniciativas das mais variadas, é o que nos conta Camila Chagas, Ana Gualberto e Lucas Obalera de Deus, autores das publicações digitais  "Caminhos abertos para superar o ódio e a intolerância religiosa na Bahia" e  “Por uma perspectiva afrorreligiosa: estratégias de enfretamento ao racismo religioso”, que lançamos hoje junto a KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço no Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa.

O "Caderno Religião e Política" reúne em dois números essas publicações , que mapeiam, analisam iniciativas da sociedade civil e órgãos públicos na luta contra a intolerância religiosa e destacam o conceito de racismo religioso que se propõe ampliar a visão sobre onde se estruturam as ações de intolerância religiosa.

Protagonista de sua história, o povo de santo, vem resistindo às tentativas de demonização, ao desrespeito, violências simbólicas, físicas e psicológicas. Que seja cada vez mais realidade o respeito à todas as crenças e religiões, à todas as vozes que buscam reforçar a em constante disputa e construção, democracia brasileira.

 

Conteúdo relacionado

  • Cadernos Religião e Política: Por uma perspectiva afrorreligiosa: estratégias de enfrentamento ao racismo religioso

    pdf
    A reflexão empreendida nesta publicação tem a finalidade de levantar uma discussão sobre a perseguição e proliferação de múltiplas violências direcionadas às religiões de matriz africana. O autor tem o intuito de investigar as estratégias teó­ricas e práticas que vêm sendo utiliza­das por afrorreligiosos no seu enfrenta­mento ao racismo religioso no Estado do Rio de Janeiro.
  • Religião e Política: medos sociais, extremismo religioso e as eleições 2014

    pdf

    A publicação registra um amplo estudo sobre as eleições 2014, estabelecendo como eixo as candidaturas de Pastor Everaldo (PSC) a presidente, além de Marcelo Crivella (PRB) e Anthony Garotinho (PP) a governador do Rio de Janeiro. O estudo foi desenvolvido pelo Instituto de Estudos da Religião (ISER) em parceria com a Fundação Heinrich Böll (HBS). O objetivo principal da pesquisa é detectar quais são os projetos políticos estabelecidos, especialmente, por determinados agrupamentos religiosos evangélicos.

  • Religião e política: os evangélicos no poder

    Os evangélicos são hoje a maior bancada do Parlamento. Das 19 redes de TV de propriedade de religiosos e/ou que transmitem conteúdo religioso, dez são evangélicas. Com tamanha inserção nos planos político e midiático, tais religiosos têm pautado debates, apoiado candidaturas políticas e influenciado nas decisões do governo. A coordenadora de Direitos Humanos da Fundação Heinrich Böll analisa tal panorama e suas implicações.

    por Marilene de Paula