Atlas da Carne - publicação reúne fatos e números sobre os animais que comemos

Atlas da Carne - publicação reúne fatos e números sobre os animais que comemos

Atlas da Carne - versão brasileira
novo lançamento da Böll Brasil analisa cadeia da carne — Créditos da imagem

Elaborada por pesquisadores do Brasil, Chile, México e da Alemanha, o "Atlas da carne - fatos e números sobre os animais que comemos" apresenta uma pergunta inquietante: você sabia que a produção de carne está relacionada ao desmatamento da Amazônia? A publicação mapeia a produção industrial de carne no mundo e como ela atinge recursos hídricos e solos, influencia as mudanças climáticas e aumenta a desigualdade. O lançamento acontece na terça-feira, dia 6 de setembro, no auditório do Brics Policy Center, localizado em Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro.

O Atlas também registra ainda como a criação animal em escala industrial traz consequências como a fome, já que a produção intensiva fica sempre em primeiro plano, em detrimento das necessidades nutricionais de cada país. O cercamento de terras para esse objetivo também causa o deslocamento de pequenos produtores, intensificando problemas sociais. A perda de biodiversidade também é outra grave consequência desse avanço sobre as terras. O Atlas, portanto, indica esses e outros impactos do consumo de carne, seja ela bovina, suína, de aves e de outros tipos como búfalos e ovelhas.

A publicação busca disseminar o máximo de informação quanto aos efeitos da produção de carne e às alternativas a esse modelo predador. Segundo o Atlas, se o consumo de carne continuar crescendo, em 2050 os agricultores e agricultoras terão que produzir 150 milhões de toneladas extra de carne, agravando os problemas. O Atlas da Carne estimula, assim, reflexões sobre como implementar uma pecuária "ecológica, social e ética" como contraponto ao agronegócio nos Estados Unidos, na União Europeia e na América Latina. A publicação traz alternativas ao atual modelo, como a de produzir e consumir a carne localmente, evitando o transporte por milhares de quilômetros. Quer, assim, mostrar ao consumidor de carne toda a cadeia de produção.

No Brasil, onde a crise hídrica já bateu à porta, para cada um quilo de carne, gastam-se 15 mil litros de água. E a criação intensiva, visando à exportação, leva ao uso de fármacos para erradicar doenças e acelerar a engorda. A contaminação do solo e da água, entre outras, são as consequências. A despeito disso, a demanda global por carne aumenta, mais rapidamente nos países emergentes e de forma cadenciada nos Estados Unidos e na Europa.

O Atlas está em sua terceira edição na Alemanha e já foi publicado em espanhol, inglês e francês.  O Brasil ilustra bem a cadeia de produção, pois é um dos maiores produtores de soja do mundo, grão utilizado sobretudo como ração animal. Ao consumir a carne, o cidadão ingere também agrotóxico, usado no cultivo desse defensivo agrícola. A sanha por terra de produtores de soja e outros levam, muitas vezes, à grilagem, à expulsão de pequenos agricultores e a assassinatos de líderes camponeses e indígenas no Brasil. A produção da soja também se desdobra em desmatamento na Amazônia, visto, em maior escala, no Cerrado e no Pantanal, que sofrem também com o avanço das áreas de pastagens, pondo em risco importantes biomas. A pecuária intensiva gera quase um terço dos gases de efeito estufa em nível global.

Lançamento:

O lançamento reunirá um dos autores da publicação, Sergio Schlesinger, consultor da Fase, organização parceira da Fundação Heinrich Böll Brasil; a pesquisadora do tema e professora da Universidade Federal Rural, Claudia Job Schmitt; Maureen Santos, coordenadora do programa de Justiça Socioambiental da Fundação; e o jornalista e diretor do portal SRZD, Sidney Rezende que fará a moderação do debate. Na ocasião também será lançado o livro "Cadeia industrial da Carne - Compartilhando ideias e estratégias sobre o enfrentamento do complexo industrial do complexo industrial global da carne" da FASE, resultado da troca de ideias de um encontro sobre a temática.

O Atlas da Carne estará disponível para download a partir do dia 6 de setembro e exemplares impressos podem ser solicitados gratuitamente pelo email info@br.boell.org

O evento de lançamento tem apoio da Plataforma Socioambiental do Brics Policy Center / IRI. 

Lançamento Atlas da Carne - Fatos e números sobre os animais que comemos

Quando: 6/12 - 18-22h

Onde: Brics Policy Center - Rua Dona Mariana, 63 - Botafogo - Rio de Janeiro

Palestrantes: Sergio Schlesinger (Um dos autores do Atlas e consultor da FASE); Claudia Job Schmitt (Professora doutora da Universidade Federal Rural); Maureen Santos (Coordenadora do Programa de Justiça Socioambiental da Fundação Heinrich Böll Brasil)

Moderação: Sidney Rezende (jornalista e diretor do portal SRZD) 

 

** INSCRIÇÕES ENCERRADAS!

Conteúdo relacionado

  • Comitiva alemã visita Mato Grosso para avaliar impactos socioambientais do cultivo da soja

    Anton Hofreiter, líder do partido alemão “Bündnis 90/Die Grünen no Bundestag” - em português a “Aliança '90/Os Verdes” -, visitou o estado do Mato Grosso, em viagem organizada pela FASE MT e o ex-presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Lucas do Rio Verde (MT), em parceria com a Fundação Heinrich Böll Brasil. O objetivo era avaliar os impactos da cultura de soja no estado. O deputado federal alemão fez uma passagem por Lucas do Rio Verde, onde encontrou-se com o vice-prefeito, Miguel Vaz Ribeiro, ex-presidente da Fiagril, empresa que comercializa, entre outros produtos, agrotóxicos e biodiesel.

     

     

     
    por Andrés Pasquis/Gias
  • O Brasil está nu: O avanço da monocultura da soja, o grão que cresceu demais (livro e cartilha)

    pdf

    De grão em grão – transgênico ou não – o cultivo da soja espalhou-se por todas as regiões do Brasil nas três últimas décadas. A abertura de novos mercados para a produção brasileira de grãos e o aumento do Produto Interno Bruto (PIB) gerado pelo agronegócio têm sido apresentados à sociedade brasileira, pelos representantes das organizações da agricultura patronal e pela mídia, como um bem em si mesmo.

    O presente estudo busca trazer à luz, para o debate público, os “custos invisíveis” do atual modelo agrícola, particularmente nas regiões Centro-Oeste e Norte. Sergio Schlesinger e Silvia Noronha

4 Comments

Adicione

Adicione

MARCELLO CANTIZ...

Parabéns pelas pesquisas! A monocultura de soja e o desmatamento das florestas brasileiras para abertura de pasto para bovinos, está trazendo enormes prejuízos ao ambiente!

Aparecida Perei...

Sou vegetariana por questões ideologicas e pela natureza.

Aparecida Perei...

Sou vegetariana por questões ideologicas e pela natureza.

Mauricio Rossetto

Temos que crear uma Organização Mundial tipo ONU para o Meio Ambiente !