O futuro das UPPs em debate

O futuro das UPPs em debate

UPP da comunidade Santa Marta
UPP da comunidade Santa Marta, primeira unidade instalada — Créditos da imagem

Na próxima terça-feira (27/1), às 18h, a Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) sediará um debate sobre o futuro das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) com a presença do deputado Marcelo Freixo (PSOL); Cíntia Luna, liderança da comunidade do Fallet; Rumba Gabriel, representante do Quilombo Urbano Jacaré e do Movimento Popular de Favelas; Silvia Ramos, coordenadora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (Cesec); Ignácio Cano, professor e coordenador do Laboratório de Análises da Violência da UERJ; e Leonardo Nogueira, major da Polícia Militar do Rio e comandante da UPP da Rocinha.  

Nos últimos dois anos o modelo das UPPS tem sido questionado por diversos setores da sociedade já que há uma crescente morte de moradores das favelas e de policiais, além de ataques às unidades. Casos como o desaparecimento em 2013 de Amarildo Dias de Souza, ajudante de pedreiro, após ser detido por policiais militares da UPP da Rocinha e da morte de Douglas Rafael da Silva, o DG, dançarino de um programa de TV, no Pavão-Pavãozinho, passaram a ser símbolos da violência policial dentro de territórios com unidades instaladas. Esses problemas indicam que o modelo, apesar de ter apresentado avanços nos índices de violência nesses territórios, não resolve a complexidade de questões ligadas à segurança pública no Rio de Janeiro. Com a reeleição do governador Pezão, tudo indica que o projeto das UPPs continuará sendo fortalecido dentro de uma mesma lógica. Questões como essas serão tratadas no evento da UERJ. Participe!  

Debate sobre o futuro das UPPs: 
Dia 27 de janeiro - 18h
UERJ - R. São Francisco Xavier, 524 - Maracanã - Rio de Janeiro
Auditório 91, 9º andar, bloco F

 

Conteúdo relacionado

  • UPP: o sonho acabou?

    No Brasil 6% da população vive em favelas, cerca de 11,4 milhões de pessoas. No censo de 2010 o estado do Rio de Janeiro possuía cerca de dois milhões de pessoas vivendo nessa condição. A Favela da Rocinha é o exemplo emblemático da predominância desse tipo de assentamento urbano no Rio de Janeiro. Segundo o IBGE, é a mais populosa do país, com cerca de 70 mil moradores, número que é contestado pelos moradores, que afirmam haver entre 180 a 220 mil pessoas. Sempre relegada na partilha dos benefícios produzidos pela cidade, as favelas permanecem com problemas sociais crônicos, mas em especial a violência, os tiroteios constantes entre polícia e traficantes que aterrorizavam moradores e sua vizinhança foram fontes de incontáveis manifestações e promessas de mudança pelas autoridades públicas.

     

     
    por Marilene de Paula
  • Uma avaliação exploratória do impacto das UPPs no Rio de Janeiro

    Até hoje as UPPs foram muito mais discutidas do que avaliadas. Nesse sentido, a pesquisa publicada como livro "Os donos do morro: uma avaliação exploratória do impacto das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) no Rio de Janeiro" veio colaborar para preencher essa lacuna.

    por Naiara Azevedo

0 Comments

Adicione

Adicione