Quem são os proprietários do saneamento no Brasil?

Quem são os proprietários do saneamento no Brasil?

O saneamento básico é um dos direitos fundamentais que influencia a saúde e qualidade de vida das pessoas. Apesar da compreensão unânime da importância da distribuição de água e redes de esgoto, este ainda é um dos mais graves problemas do país. Segundo dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), divulgados em 2017 e referentes a 2015, de acordo com matéria publicada no G1, apenas 50,3% dos brasileiros têm acesso à coleta de esgoto. Isso significa que mais de 100 milhões de pessoas usam medidas alternativas - fossas e despejo em rios - para lidar com os dejetos. Na região Norte, a situação é pior: 49% da população é atendida por abastecimento de água, e apenas 7,4%, por esgoto. O pior estado é o Amapá, com 34% e 3,8% respectivamente, e o melhor é São Paulo, com 95,6% de cobertura em água e 88,4% em esgoto.

 

Em 2007, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a Lei do Saneamento (lei 11.445 ) que criou regras para o setor, definindo as competências dos governos federal, estaduais e municipaise regulamentou a participação de empresas privadas.  Com isso, havia a expectativa que aconteceriam grandes transformações positivas no setor, mas um estudo da Confederação Nacional da Indústria mostrou que, com os atuais investimentos, o Brasil só conseguirá universalizar o atendimento de água em 2043, e de esgoto, em 2054.

 

Neste cenário, o Instituto Mais democracia publicou os resultados da pesquisa"Quem são os Proprietários do Saneamento no Brasil", que investigou o mercado privado do setor, controladopor 26  empresas, sendo as maiores: BRK Ambiental (ex-Odebrecht Ambiental), Aegea Saneamento e Participações, Grupo Águas do Brasil (Saneamento Ambiental Águas do Brasil - Saab); Iguá Saneamento (ex-Companhia de Águas do Brasil – CAB, então do grupo Queiroz Galvão) e GS Inima Brasil.. Segundo a organização, os cinco maiores grupos econômicos atuantes nesta área no país, considerando serviços de abastecimento de água e coleta e tratamento de esgoto, controlam 85,3% do total de contratos. A pesquisa descobriu também que cresce a financeirização e internacionalização do mercado privado do saneamento e que isso não tem trazido melhorias significativas em termos de aumento da distribuição de água e redes de esgoto.

 

Conversamos com a jornalista Silvia Noronha e João Roberto Lopes Pinto, doutor em Ciência Política, ambosautores da pesquisa, para entender mais sobre estequadro. O Instituto Mais Democracia é parceiro da Fundação, que apoiou a pesquisa.

 

 

 

 

Silvia Noronha e João Roberto Lopes Pinto, pesquisadores Silvia Noronha, jornalista, e João Roberto Lopes Pinto, doutor em Ciência Política - autores da pesquisa – Creator: Manoela Vianna/ Fundação Heinrich Böll. Creative Commons License LogoEsta imagem está sob licença de Creative Commons.

Colaborou Judith Rietzl

Böll Brasil: Por que é importante para a sociedade saber quem são os controladores dos grupos econômicos privados que atuam na área de prestação de serviços e saneamento?
Mais Democracia: 
Na verdade, é importante saber quem está por trás de todas as empresas para fazermos um controle social dos mercados. Escolhemos analisaro mercado do saneamento porque estava previsto o Fórum Mundial da Água [8° Fórum Mundial da Água que aconteceu em Brasília, em março] e o Fórum Alternativo Mundial da Água [FAMA que aconteceu paralelo ao 8° Fórum da Água]. Além disso, existe uma pressão para que haja uma privatização maior neste setor, já que há um processo de aumento dasprivatizações no entendimento do governo Temer. A ideia de passar serviços para a iniciativa privada, supostamente, seria uma forma de tornar esses serviços mais eficientes. 

Então, em nossa pesquisa, tínhamos algumas questões: quem são essas empresas; quem são as pessoas que estão por trás dessas empresas; porque elas estão fazendo lobby, o que há de tão interessante nesse mercado; e o que está acontecendo também com esse mercado, no caso dos municípios que já privatizaram o setor, apesar de não serem muitos. Não chega a 6% dos municípios brasileiros e já há alguma reversão em alguns deles, principalmente no Tocantins. É algo que não decolou totalmente, mas, ao mesmo tempo,já tem um peso grande para as populações que são atingidas por essas empresas privadas. 

Nós fizemos a busca de quem são os proprietários casada com uma pesquisa qualitativa para avaliarse essa suposta eficiência [privada]poderia ser comprovada. 

Sobre as descobertas: oprimeiro ponto foi a concentração de mercado. A líder do mercado tem 46% dos municípios. É claro que uma concentração nesse nível não é desejável.

Outro ponto é o processo de financeirização que aumentou demais. São instituições financeiras, em geral fundos de investimento,que estão por trás de muitas das empresas controladoras. É um processo que vem acontecendo na economia mundial, e especificamente está crescendo no mercado do saneamento nesse momento.Mas por conta da Lava Jato há mudanças também no controle dessas empresas. A maior delas, que era a Odebrecht Ambiental,resolveu vender esses ativos por conta da Lava Jato. Várias construtoras envolvidas nesses escândalos fizeram mudanças para fazer caixa.

Creator: Mais Democracia. Creative Commons License LogoEsta imagem está sob licença de Creative Commons.

Böll Brasil: Quais são os pontos negativos dessa concentração de mercado, um dos achados da pesquisa?
Mais Democracia: 
Há uma preocupação com o lobby,que aumenta quando há poucas empresas controlando um setor. São apenas cinco empresas em 88% do mercado privado deste setor. Isso quer dizer que praticamente nove em cada 10 municípios que já passaram oserviço de água e esgoto para ainiciativa privada estão nas mãos de apenas cinco empresas. Com essas cinco empresas é muito mais fácil fazer lobby, inclusive junto a agências reguladoras.Essas empresas têm uma força descomunal em relação aos municípios pequenos que já privatizaram esse setor. Umestudo da Fundação Getúlio Vargas mostra isso no caso de Tocantins. Isso é um dado importante e perigoso.No momento em que a iniciativa privada começou a participar do controle da companhia estadual do Tocantins de saneamento havia zero coleta e tratamento de esgoto e apenas 65% de rede de água por lá. Em 2010, oito anos depois deste mercado ser totalmente passado para a iniciativa privada, houve apenas um aumento da rede de água de 63% para 73%; e de esgoto de zero para 13%.

Böll Brasil: A pesquisa ajuda a questionar o argumento de que privatização é sinônimo de eficiência?
Mais Democracia: 
Ajuda e comprova. Além do caso do Tocantins, tem o caso de Itu, no interior de São Paulo, que também reestatizou devido à falta de ampliação no serviço de de água.Eles esperavam um investimento que não foi efetuado e assim o serviço foi reestatizado. Há também um aumento no valor da conta paga pela população. As tarifas praticadas pelas concessionárias privadas passaram a ser mais caras que as públicas, porque os reajustes autorizados de 2003 a 2015 foram mais altos do que os percentuais adotados pelas empresas públicas estaduaisCom isso, o valor do metro cúbico para o consumidor dessas cidades que privatizaram o serviço ficou cerca de 12% mais elevados que a média das companhias estaduais.

Böll Brasil: E não há regulamentação sobre a tarifa de água no Brasil?
Mais Democracia: 
Não, não há uma regulamentação pública. Cada contrato pode prever o aumento que quiser, , mas os problemas costumam acontecer em função das cláusulas de equilíbrio econômico-financeiro do contrato. É um mercado complexo. As cláusulas relacionadas com equilíbrio econômico financeiro de qualquer contrato de concessão acabam sendo brechas para as companhias conseguirem reajustes mais elevados e conseguirem também prorrogação dos prazos de contrato. Elas podem alegar que tiveram que fazer um investimentoque não estava previsto, por exemplo. 

Böll Brasil: Então há uma flexibilidade grande nessas mudanças.
Mais Democracia:
Sim. Vai muito além do que o contrato diz sobre reajustes. Na verdade, seria até uma outra pesquisa: acompanhar esse processo de aditivos. Esses contratos vão sendo prorrogados e vai sendo recalculado esse equilíbrio econômico-financeiro.Existem contratos com 49 anos de duração porque foram sendo ampliados. 

Böll Brasil: Pensando na teoria de "portas giratórias" [a circulação de pessoas nos setores de poder de decisão de empresas privadas e governo], vocês poderiam comentar como isso funciona no setor do saneamento? 
Mais Democracia:
Vamos falar mais um pouco sobrea questão da financeirização, pois ela nos faz entender a questão. O fundo de investimento tem uma proporção de rentabilização rápida. Por que será que este tipo deinvestimento está entrando em uma área tão precária? Um setor que exige infraestrutura e exige investimento. Um setor, que no caso brasileiro, é deficitário.É aí que vem o perigo. Este setor entende de ganhar dinheiro  e identifica no saneamento uma possibilidade de fazer isso.Eles estão querendo ganhar dinheiro, e não estão querendo prestar serviço.Além disso, buscam contratos de concessão que excluem as favelas e assim não prestarão serviço para essas áreas mais pobres.. 

A questão da porta giratória é mais um elemento dessa relação pouco republicana. No Brasil, você pode migrar do setor público para o setor privado em três meses. E isso é muito pouco para efeito das informações privilegiadas. Então citamos no folder [material com o conteúdo da pesquisa]alguns casos dessa circulação de pessoas. Na BRK Ambiental, por exemplo, está o vice-presidente da Caixa, que é conselheiro da BRK porque a Caixa tem 30% de participação na empresa. Esse executivo é ligado ao PSDB. Já dois executivos da Iguá Saneamento vieram da companhia de saneamento do Paraná, a Sanepar. O presidente da Aegea é oriundo de agências reguladoras, onde obteve resultados expressivos na ampliação da lucratividade das empresas. Ele é apresentado oficialmente ao mercado pela Aegea dessa maneira e não por ter gerado ampliação do serviço para a população. Essa é a lógica.

Böll Brasil: Vocês fazem alguma conexão com a pesquisa de vocês “Quem são os proprietários do Brasil [LINK]?
Mais Democracia:
Utilizamos a mesma metodologia e o mesmo objetivo, que é o de controle social de governos e empresas. A pesquisa mais geral começou exatamente procurando as conexões com o Estado. No trabalho que a gente fez sobre o BNDES procuramos as conexões do banco com as grandes empresas. A gente quis entender o que está por trás dessas estruturas de propriedade, como tal mercado funciona. Queríamos entender os vínculos, e aí começamos a perceber o caráter minoritário do Estado dentro de algumas empresas. Isso é algo que preocupa. 

Então se não tem controle social sobre esse tipo de participação do Estado, o Estado se relaciona por dentro dos conselhos de administração dessas empresas. 

Todos esses grandes grupos que a gente mapeou nos proprietários são controlados na conta de holdings, por instituições financeiras. São fundos de investimento que estão se formando, se construindo em intensa lógica evidentemente de rentabilização a curto prazo. Esta lógica da financeirização é algo que se precisa investigar e discutir. Há pouco debate. 

Acesse a pesquisa aqui.

João Roberto Lopes Pinto é doutor em Ciência Política e coordenador do Instituto Mais Democracia.
Silvia Noronha é jornalista e especialista em Políticas Públicas, além de pesquisadora do Instituto Mais Democracia.

Conteúdo relacionado

  • Os Donos do Rio

    As violações de direitos geradas pelas intervenções na cidade e no estado, responsáveis por uma “gentrificação” deliberada, são demonstrações cabais da falência dos governos como defensores do interesse público, porque estão subordinados aos ditames privados.

    por Adriano Belisário, João Roberto Lopes Pinto, Rafael Rezende