Vila autódromo: moradores reivindicam urbanização com plano popular

Vila autódromo: moradores reivindicam urbanização com plano popular

Vila Autódromo
Oficina de Elaboração do Plano Popular, 2011 — Créditos da imagem

A comunidade Vila Autódromo promove amanhã (27/2), a partir das 10h, um evento de lançamento da versão atual do Plano Popular de Urbanização, feito em parceria com as Universidades UFF e UFRJ, com apoio da Fundação Heinrich Böll, entre outras organizações. Foram convidados oficialmente o Prefeito Eduardo Paes, o Governador Luiz Fernando Pezão, e a Presidente Dilma Roussef.

A comunidade sofre um processo de remoções desde 2014, das 500 famílias que moravam no local, hoje há apenas 50. Recentemente o prefeito Eduardo Paes afirmou que aqueles que desejam permanecer na Vila e que as casas não estão nas obras do Parque Olímpico, poderão ficar, mas para isso, segundo moradores, é preciso implementar a urbanização da comunidade que teve sua infraestrutura gradativamente deteriorada com os entulhos das demolições que ficam na comunidade, alto fluxo de veículos de grande porte e ausência de serviços públicos de qualidade, como fornecimento de água.

Um plano para todos

A primeira versão do plano de desenvolvimento urbano, econômico e Social foi construído a partir da demanda dos moradores, com a assessoria do ETTERN/IPPUR/UFRJ, em conjunto com o Núcleo de Estudos e Projetos Habitacionais e Urbanos – NEPHU/UFF, em 2012. Em 2013, o plano foi premiado com o Urban Age, premição da London School of Economics e Deutch Bank de USD$80mil, planejado para ser usado na construção de uma creche comunitária. Hoje, o plano popular já passou por cinco atualizações, de acordo com as demolições e intervenções realizadas pela Prefeitura no entorno da área.

Segundo Regina Bienenstein, arquiteta, urbanista e pesquisadora do Nephu-UFF, em entrevista para o Ibase, o que o plano defende "é uma urbanização completa da área, com condições de acessibilidade garantidas tanto internamente quanto para o exterior, porque os moradores precisam entrar e sair do seu local de moradia. Tem que ter áreas de lazer e recreação. Tem que ter Centro Cultural, pois diversos eventos, como o “Ocupa Vila Autódromo” se desenvolvem ali. Prevê uma creche comunitária num primeiro momento, mas também tem reservado um local para creche municipal, pois acreditamos que isso também seja um direito deles. A sede da Associação de Moradores e os lotes para moradia que resolvam inclusive problemas de ter mais de uma família numa mesma casa. Além do planejamento de saneamento básico."

Remoções recentes

Na última quarta-feira (25) a sede da associação de moradores, que abrigaria a creche comunitária, foi demolida. Além disso, no mesmo dia, a casa e também terreiro de candomblé de Heloísa Helena Costa Berto, a mãe de santo Luizinha de Nanã, também foi derrubada. Veja a reportagem exclusiva da Agência Pública que acompanhou o caso. Outras remoções ainda devem acontecer na comunidade.

Saiba mais sobre o evento na página do Facebook da comunidade

Conteúdo relacionado

  • Vila Autódromo: símbolo de resistência na Cidade Olímpica

    Um dos casos emblemáticos de resistência aos processos de remoções no Rio de Janeiro é a Vila Autódromo, uma comunidade na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro, que historicamente lutou por sua permanência no local. A comunidade foi uma das únicas a conseguir construir uma proposta técnica alternativa a sua remoção, a partir da parceria com uma equipe multidisciplinar do ETTERN - UFRJ.  

    por Giselle Tanaka
  • O direito à cidade e as remoções forçadas

    Em entrevista à  Fundação Böll, o professor Orlando Alves dos Santos Júnior do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano  e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPPUR/UFRJ), ex-relator  da Plataforma Brasileira de Direitos Humanos, Econômicos, Sociais, Culturais e  Ambientais (Dhesca Brasil), na Relatoria do Direito Humano à Cidade fala sobre as violações ao direito à cidade que  estão acontecendo nas cidades brasileiras. 

    por Manoela Vianna
  • O direito à cidade e as remoções forçadas

    Em entrevista à  Fundação Böll, o professor Orlando Alves dos Santos Júnior do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano  e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPPUR/UFRJ), ex-relator  da Plataforma Brasileira de Direitos Humanos, Econômicos, Sociais, Culturais e  Ambientais (Dhesca Brasil), na Relatoria do Direito Humano à Cidade fala sobre as violações ao direito à cidade que  estão acontecendo nas cidades brasileiras. 

    por Manoela Vianna

0 Comments

Adicione

Adicione