Semana decisiva para a negociação do novo acordo climático

Semana decisiva para a negociação do novo acordo climático

COP 21Foto do secretário- geral da ONU Ban Ki-Moon cumprimentando o presidente dos Estados Unidos Barack Obama. Creator: UNclimatechange. Creative Commons License LogoEsta imagem está sob licença de Creative Commons.

A plenária da COP se reuniu na última sexta (04) e recebeu oficialmente dos chairs da Plataforma de Durban (ADP) o texto com o projeto do acordo que deve ser celebrado em Paris até o final desta semana. Com isso se encerrou o mandato da ADP, trilho de negociação criado no final de 2011 na COP e que, ao longo dos últimos quatro anos, vem discutindo e elaborando os termos do que deve entrar no novo acordo. O texto que foi oficialmente entregue como resultado do ADP é produto de uma versão produzida pelos facilitadores do ADP e que contém as chamadas ‘bridging proposals’ (propostas ponte), tentando buscar pontos de consenso.

Embora esta facilitação do texto tenha sido pedida pelas partes (países), o resultado final foi criticado ao longo da tarde de sexta-feira por haver excluído pontos que estavam na compilação das propostas negociadas na primeira semana e, por isso, muitos países fizeram questão que, como anexo ao documento final – sobre o qual as negociações agora versam – tenha sido anexado uma ‘nota de reflexões’, re-incorporando sugestões e omissões destacadas.

A presidência da COP, ao cargo do ministro francês Laurent Fabius, declarou na plenária de sexta-feira (4/12) um modo de trabalho específico para os próximos dias. O objetivo é ter já na quinta-feira (10/12) um texto que possa ser submetido à consideração. Para agilizar este processo foi constituído o “Comitê de Paris”. O mandato deste comitê, um grupo de consulta (em inglês, ‘open-ended single-setting group’), é a novidade do modo de trabalho instalado pela presidência da COP para esta reta final do processo e visa facilitar o avanço nos compromissos sobre o projeto de texto do Paris Outcome e o pacote de decisões que serão enviados para a COP. O ‘pacote’ inclui o que entra no texto do novo acordo e o que fica como decisões que serão adotadas pela COP. Ambos estão relacionados mas tem status jurídico distintos.

O primeiro encontro do Comitê de Paris será uma plenária que começa às 19:00 desta segunda-feira (07), quando serão apresentados os avanços nas conversas e consultas informais que estão acontecendo desde sábado. No time de facilitadores, o Brasil joga um papel central: a ministra Izabella Teixeira é uma das co-facilitadoras, junto com a ministra do Exterior de Singapura, do grupo temático considerado mais complexo, pois trata do tema transversal a toda a negociação: a diferenciação, em particular com respeito à mitigação, financiamento e transparência.

Os outros grupos são: suporte; meios de implementação (financiamento, tecnologia e capacitação), co-facilitado pela Alemanha e o Gabão; Ambição, incluindo objetivos de longo prazo e revisões periódicas, co-facilitado pelo estado insular Santa Lucia e pela Noruega; e facilitado pela Inglaterra (Reino Unido) e Gâmbia está o trilho de negociação 2 (workstream 2) que trata da aceleração da ação pré-2020 (a partir de quando começa de fato a valer as regras do novo acordo), excluindo o tema de financiamento.

O mandato destes co-facilitadores, entre eles a ministra Izabella, é buscar pontes entre as diferentes posições dos países e blocos com o foco nos temas que requerem uma resolução nos próximos dias, permitindo com isso uma conclusão satisfatória e a tempo para o resultado que se espera desta reunião de Paris.

Na noite desta segunda-feira serão anunciados os primeiro avanços deste modo de trabalho. Até o final do dia de terça-feira os facilitadores devem apresentar suas conclusões e avaliação de conceitos possíveis que resultem deste intenso processo de consulta e que possam ser traduzidos em um rascunho de um guia para a condução do processo. Com este modo de trabalho a presidência da COP pretende avançar rumo ao seu objetivo de ter um texto bem avançado e limpo – em termos de opções de consenso – já na quinta-feira. Com isso, espera aprovar o Acordo na sexta-feira – último dia COP.

O objetivo de avançar nos trabalhos até quinta-feira é poder submeter o texto a uma consulta e revisão por um comitê representativo dos 5 grupos regionais da ONU e mais um representante dos países insulares, comitê este que será presidido por dois co-presidentes, um do Anexo I e outro do Anexo II para verificar se o texto está claro em termos linguísticos e jurídicos.

Este vai e vem de documentos e versões, é importante destacar, não é apenas um trâmite menor de linguagem e de interesse burocrático. Como ‘vale o que está escrito’, são as palavras e onde elas entram que estão cimentando um acordo histórico que trata de uma reorganização profunda das regras e da arquitetura econômica internacional, que atravessa e redefine o paradigma de desenvolvimento, obrigações e cooperação internacional dentro do sistema multilateral, financiamento, tecnologia, e, também, comércio internacional.

Conteúdo relacionado

  • O complexo debate internacional sobre o REDD

    Para alguns, um mecanismo de compensação poderia incentivar os países a impedirem o desmatamento e, assim, reduzir as emissões. No entanto, este mecanismo econômico relativamente simples é controverso e, segundo especialistas, pode ser considerado uma falsa solução. Entenda no artigo de Maureen Santos. 

    por Maureen Santos
  • Os principais desafios que o mundo debate em Paris

    Com o objetivo de assegurar que os acordos estejam assinados no fim do evento, dia 11 de dezembro, o foco será em um “Pacote Climático de Paris” (Paris Climate Package), em que outras decisões também sejam encaminhadas, além do acordo jurídico universal negociado pela ADP. Leia mais no artigo da pesquisadora Camila Moreno que está em Paris acompanhando a COP21

    por Camila Moreno
  • Grupo Carta de Belém se posiciona sobre decreto que cria comissão do REDD

    Coerente com sua postura histórica nas negociações preparatórias à COP 21 em relação a não abrir as portas para a geração de créditos de compensação (offsetting) nas ações de REDD+ (Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação), o governo brasileiro publicou na sexta feira, dia 27 de novembro, o Decreto 8.576 que institui a Comissão Nacional para REDD+.

Adicione