Mulheres Digo, patriarcado e eleições na costa sul do Quênia

Mulheres Digo, patriarcado e eleições na costa sul do Quênia

Fiquei intrigada quando falava sobre a eleição de mulheres líderes em Msambweni e muitas vezes me fizeram a pergunta: "o que uma mulher fará por nós?". Ainda assim, muitos homens e mulheres eram da opinião de que as mulheres eram a "porta de entrada" para ganhar uma eleição. O enigma foi resolvido um dia durante uma visita a Mariamu, uma mulher de quase 60 anos. Suas encantadoras palavras de boas-vindas são responsáveis pela descrição vívida de um homem sobre sua característica de ser uma mulher com “uma língua doce o bastante para tirar os ratos de seus esconderijos”. Ela parecia resoluta, controlada e pronta para falar comigo sobre sua participação na vida política na costa sul do Quênia. Como muitas de suas colegas mulheres no povoado que afirmam ser mulheres progressistas, ela começou a me contar como era uma mulher progressista: ela, com a ajuda do marido, construiu uma casa de pedra permanente com um telhado de chapas de ferro, piso cimentado e portas metálicas. Para Mariamu, essa era uma demonstração clara de uma mulher progressista. "Eu sou uma mulher que ama o progresso (maendeleo)", disse ela. Para destacar as alegações de Mariamu, seu marido aplaudiu: “Eu amo o carisma dela. Ela é uma mulher única, muito inovadora e trabalhadora. Esta casa ficou de pé por causa dela. Eu tenho muito respeito por ela.” Com certeza, não é difícil identificar a casa em um bairro onde muitas das casas têm paredes de barro com telhados de palha. Mariamu é popular na aldeia devido à sua participação exemplar em atividades sociais e políticas, especialmente por sua contribuição para a escolarização das crianças: ela paga as taxas escolares de vários estudantes pobres do povoado e busca patrocínio para os outros, e pelo grande apoio e 'orientação' que oferece a muitos políticos (homens e mulheres) no distrito, até mesmo fazendo campanha para eles, tanto de forma individual como coletivamente com outras mulheres. "Muitos desses políticos passaram pelas minhas mãos", vangloria-se. Na verdade, as mulheres nessa comunidade estão mobilizando e convencendo os agentes de eleições [1] e têm expectativas específicas para as mulheres líderes. Mariamu também relembra como mulheres como ela vêm progressivamente "tendo voz" nas eleições de Msambweni, um contexto no qual a organização matrilinear se transformou historicamente, enquanto, ao mesmo tempo, oferece espaço em potencial para que as mulheres busquem autonomia sobre determinadas relações sociais, econômicas e políticas.

Mariamu era líder local do movimento Maendeleo ya Wanawake em sua comunidade quando as eleições de 1997 estavam para acontecer. Ela me contou que o eleitorado estava ansioso por uongozi bora (liderança adequada) depois de um longo período durante o qual muitas pessoas sentiam ter tido uma liderança fracassada do então membro do parlamento (MP) sob o regime KANU (Kenya African National Union). Mariamu me contou também que as mulheres se aproveitaram do clima político predominante para criar a plataforma para uma mulher se candidatar. Ela explicou que a mulher candidata preferida das mulheres, Marere wa Mwachai, era uma recém-formada que sentiam estar melhor posicionada naquele momento para enfrentar a liderança masculina. Sua educação demonstrava uma conquista que era considerada masculina. Com isso, ela teria cruzado a linha masculina. No entanto, de acordo com Mariamu, Marere não imaginava que subir a uma posição política tão ambiciosa fosse possível. Marere não tinha dinheiro, nem meios de impressionar o povo. Mariamu e suas colegas mulheres estavam prontas para sentar à mesa e jogar o jogo. Eles dominaram as atividades da campanha e "organizaram tudo". No entanto, considerando a natureza patriarcal da comunidade, especialmente devido às tradições islâmicas e à organização matrilinear subjacente que servia de base para a liderança política masculina, essas mulheres sabiam que a "jornada" não seria fácil.  Segundo Mariamu, as mulheres estavam preocupadas, mas estavam muito determinadas a ver Marere vencer as eleições. Eles precisavam inovar de todas as maneiras possíveis e “falar juntas e concordar, como mulheres, com uma só voz!”.

A campanha das mulheres

“Eu deixei o cargo de líder local da Maendeleo ya Wanawake e Marere 'virou' a nova líder local da organização”, disse Mariamu. Por meio desse cargo, Marere e suas ativistas mulheres buscaram muitas outras mulheres e as convenceram a eleger uma mulher. Além disso, elas optaram por uma candidatura com a KANU, um partido popular na época, e optaram por apresentar sua candidata como a única esperança para a comunidade. De acordo com Mariamu, essas não eram apenas palavras de campanha política, as mulheres estavam “falando sério!” e acreditavam firmemente que a esperança de progresso da comunidade estava nas mãos da liderança de uma mulher: “Nos como mulheres anunciamos Marere, ela mesma sendo uma mulher.” Com esse espírito, as mulheres passavam noites sem dormir e dias inquietos fazendo campanha por sua candidata. Elas buscavam conquistar os corações de todos, mas primeiro de suas companheiras, pois além de serem a maioria dos eleitores, as mulheres, elas me disseram, “têm coração. Quando você quiser ter sucesso, conquiste os corações das mulheres.”

Esta não foi a primeira vez que ouvi dizer que as mulheres nesta parte do Quênia têm um “coração”. Eu já tinha ouvido antes narrativas de sucesso ou fracasso econômico em muitos lares explicadas em relação aos "corações" das mulheres. A noção de corações femininos é envolvida em um espírito de honestidade e uma habilidade de persuasão que são considerados ausentes em homens, especialmente quando se deseja ter um resultado positivo, ou quando há uma limitação, por exemplo, como eu descobri com gastos em rendas domésticas e com a participação em eventos como casamentos. Em vista disso, o sucesso e o fracasso (econômico ou político) são explicados de maneira complexa em relação ao coração da mulher.

Mariamu e suas amigas ganharam os "corações" de suas companheiras na comunidade. Então elas voltaram-se para os homens: "nós convidamos e deliberamos com eles." As mulheres ficaram chocadas com o avassalador apoio masculino a sua candidata: “homens ofereceram seus veículos, outros deram dinheiro, outros até foram e fizeram empréstimos para apoiar Marere”. Em oposição ao medo das mulheres pelo patriarcado, Marere venceu as eleições parlamentares de 1997 para se tornar a primeira mulher na região costeira do Quênia a ser eleita no parlamento.

Eleições após os anos 1990

Embora Marere não tenha conseguido chegar a um segundo mandato, nem tenha vencido nenhuma das eleições seguintes, as complexidades da mobilização feminina na vitória eleitoral de Marere e as consequências disso moldaram a forma essencial das atividades eleitorais praticadas hoje em Msambweni. De acordo com muitas pessoas, Marere perdeu porque “esqueceu” dos “corações” de suas companheiras depois de assumir o poder. Estas declarações tiveram efeitos de longo alcance em relação à eleição de mulheres, à natureza da participação feminina nas eleições e à natureza dos exercícios eleitorais. Por exemplo, a situação silenciou significativamente a eleição de mulheres em cargos eletivos, mas ainda assim as mulheres formaram a base sobre a qual as campanhas eleitorais são organizadas. Notavelmente, desde então as mulheres formam o ponto vocal para o sucesso de candidatos masculinos para as vagas parlamentares e para a recente posição de Membro da Assembleia (MCA). Como um aspirante masculino me disse uma vez, "quando as mulheres aqui dizem que vamos votar nessa pessoa, é isso".

Curiosamente, enquanto isso formou a justificativa predominante de muitas pessoas a respeito do motivo porque os aspirantes deveriam procurar conquistar os corações das mulheres para vencer uma eleição, o jogo para vencer os "corações" femininos tem seguido uma rota masculina desde as eleições de 2002. Desde então, os aspirantes homens se aproveitaram da delicada natureza emergente em torno das mulheres e das posições eleitorais para persuadir as mulheres, tanto individualmente como coletivamente, para apoiar suas movimentações de campanha para ganhar eleições. Mariamu me contou que recebeu muitos homens aspirantes políticos que procuravam sua "arte de fazer campanha". Quando perguntei a ela sobre o apoio das mulheres às mulheres aspirantes, ela exclamou: "as coisas mudaram com Marere!" Em outras palavras, ficou mais fácil mobilizar outras mulheres para fazer campanha e votar em homens do que para fazer campanha ou eleger uma mulher. Com certeza, as mulheres não participaram das eleições apenas na forma descrita por Mariamu e suas colegas. Grupos de dança (ngoma) e associações (chama) de mulheres são espaços comuns para envolver mulheres em campanhas políticas. No entanto, o acesso aos espaços dessas mulheres requer um cultivo cuidadoso de relacionamentos com mulheres-chave, como Mariamu, através das quais é possível conquistar os “corações” de outras mulheres.

Mulheres nas eleições de 2017

A Constituição do Quênia de 2010 ofereceu espaço em potencial para a inclusão de mulheres em cargos políticos eletivos no país. As mulheres na costa sul do Quênia identificaram-se com este espaço, sendo concorrentes em 2017 em números louváveis em comparação com as eleições passadas. Por exemplo, além das mulheres concorrendo no cargo de Representante da Mulher e Vice-Governadora na costa sul do Quênia, várias mulheres estão disputando cadeiras parlamentares e do MCA [2].  Em Msambweni, Marere está concorrendo a uma cadeira parlamentar, enquanto duas mulheres estão concorrendo a cargos do MCA em duas alas (duas outras perderam no exercício de nomeação). No entanto, ao falar com Mariamu sobre as mulheres assumindo esses cargos, ela comentou que era uma tarefa difícil para as mulheres vencerem as eleições de 2017 em Msambweni sem primeiro ganharem os "corações" das mulheres. O que é diferente ou específico sobre as mulheres ganharem os corações de outras mulheres?

Muitas vezes me lembrei que as mulheres de Digo gostam de coisas como “uma criança precisa ir à escola, uma filha casa e sua mãe precisa de ajuda com isso”, e “uma mulher sentada com outras mulheres”. Marere não foi capaz de satisfazer esses desejos femininos que são uma parte significativa de sua ideologia de prescrição de liderança. “Nós demos de presente a ela, mas depois ela decidiu não nos ouvir”, explicou Mariamu. Outros eram da opinião de que Marere “não tinha tempo para o seu povo”, enfatizando principalmente que ela mais tarde menosprezou as mulheres que trabalharam com ela durante sua campanha eleitoral. No entanto, é importante observar que as mulheres avaliam concorrentes masculinos e femininos dependendo de ideologias de liderança semelhantes. As mulheres me disseram que não elegem “qualquer um”, destacando que os participantes, homens e mulheres, devem se qualificar de acordo com um critério de elegibilidade conforme delineado pelas mulheres.

No entanto, ao contrário do caso dos candidatos do sexo masculino, as mulheres estão interessadas na sociabilidade coletiva em sua descrição do apoio às mulheres concorrentes. Nas eleições de 2017, por exemplo, as mulheres mencionaram compreender e satisfazer os desejos e expectativas das mulheres. Isso moldou as recomendações para liderança feminina como a única coisa que era preciso para vencer as eleições fosse a demonstração desta compreensão. As mulheres não querem que uma mulher “fique aí parada exibindo suas roupas”, ou “comece a esticar o rosto”, ou “fale qualquer coisa”, mas que “mostre que é uma de nós [mulheres]”. Em outras palavras, as mulheres estão preocupadas que ainda haja potencial para as mulheres manobrarem as forças patriarcais para ganharem as eleições atuais, para isso as candidatas mulheres devem demonstrar o desejo e o potencial de lidar com as desigualdades sociais que existem entre as mulheres na comunidade. Ou seja, depende das mulheres candidatas mostrarem seus corações para as mulheres, ganhando assim os "corações" de suas companheiras. Afinal, mulheres e homens nessa comunidade acreditam que o sucesso político depende da conquista dos "corações" das mulheres para influenciar os homens, e não o contrário.

 

[1] Agente de eleição no Reino Unido e em alguns países é uma pessoa legalmente responsável por conduzir as campanhas dos candidatos, inclusive do ponto de vista financeiro. Ver: https://en.wikipedia.org/wiki/Election_agent, acessado em 12/03/2019.

[2] As eleições na Kenya em 2017 foram as primeiras a elegerem mulheres para cargos de governadoras e senadoras. O número de mulheres se candidatando aumentou em 29%. Porém, a representação feminina na Câmara ainda é muito baixa. Somente 172 dos 1.883 lugares na Câmara são ocupados por mulheres. Mais informações no relatório “A Gender Analysis of the 2017 Kenya General Elections: https://www.ndi.org/sites/default/files/Gender%20Analysis%20of%202017%20GeneralElections%20FINAL%20High%20Res%20for%20Printer%20-%20NEW%20COVER_small.pdf , accessado em 13/03/2019.

Artigo por Jacinta Victoria S. Muinde, Doutoranda em Estudos Comunitários de Antropologia Social na Universidade de Cambridge.

Conteúdo relacionado