Ecologia Política

O Brasil possui a maior floresta tropical e a maior biodiversidade do mundo. No entanto, toda essa riqueza está ameaçada pela destruição de florestas e de outros ecossistemas por grande projetos, pela expansão de monoculturas de soja e cana e pelo avanço da pecuária.

Uma questão chave para o futuro da humanidade são os efeitos das mudanças climáticas. No contexto internacional, o Brasil é um ator de grande importância na construção de um novo acordo global para conter os efeitos desse fenômeno. Por outro lado, o país está no grupo dos maiores poluidores do mundo quando o que está em jogo são as emissões como resultado das queimadas e do desmatamento. Discutir e apoiar iniciativas que podem mudar esse quadro é uma de nossas principais tarefas.

A questão da energia também está no centro do debate sobre desenvolvimento sustentável e mudanças climáticas. Energias renováveis, como eólica e solar, têm o potencial de substituir fontes tradicionais causadoras de grandes impactos ambientais (hidroelétricas) e enormes emissões de CO2 (carvão). Ao mesmo tempo, apesar de cara e perigosa, a energia nuclear aparece como uma falsa solução.

Artigos atuais

Vídeos

Dossiês

Plantação de soja

Dossiê Flexibilização da Legislação Socioambiental Brasileira - 2ª edição

Flexibilização da Legislação Socioambiental Brasileira

Conferência Latino-Americana sobre Financeirização da Natureza

Publicações

Amazônia em Chamas - últimos 30 anos

Brasil - Amazônia em Chamas

O desmatamento é fortemente ligado às atividades econômicas que predominam na região Amazônica, sendo a principal delas a pecuária. Nas últimas três décadas, o rebanho nos nove estados da Amazônia Legal vem crescendo vertiginosamente, pressionando a transformação da floresta em pasto. No total, a agropecuária foi responsável por 90% da perda de vegetação natural em todo Brasil. Esta publicação mostra, através de infográficos, as mudanças e impactos de diferentes Governos na floresta.

Capa do Atlas do Plástico

Atlas do Plástico

ecologia politica

Caso nada seja feito, o planeta poderá atingir, já em 2025, mais de 600 milhões de toneladas de plásticos produzidos anualmente, um aumento de 50% na produção atual. Para além da poluição nos oceanos, rios e  terras, a produção de plástico também poderá consumir, até 2050, de 10% a 13% do limite estimado de emissões de carbono para que o aquecimento global se mantenha abaixo de 1.5°C. Os dados são do Atlas do Plástico, publicação lançada pela Fundação Heinrich Böll.

Capa_Mineração,trabalho e conflitos

Mineração, trabalho e conflitos amazônicos no sudeste do Pará

A coleção "Mineração: Trabalho, Territórios e Conflitos na Região de Carajás" é um projeto que uniu distintos autores da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA na publicação de artigos sobre as dinâmicas causadas pela mineração no território de Carajás. Os autores que participaram desse projeto são José Raimundo B. Trindade, Kathiuça Bertollo, Marcelo Carneiro, Celia Regina Congilio, Tádzio Peters Coelho, Zulene Muniz Barbosa, Antero Carneiro Filho, Rosemayre Bezerra, Reinaldo Costa da Silva.

capa branca com ilustração de plantas, árvores e uma cabeça humana, quadrado verde com texto em branco, símbolo da jornada no final.

Cartilha da jornada de agroecologia do paraná - 2019

Realizada anualmente por um conjunto diverso de organizações sociais, movimentos populares, universidades, pesquisadores e agricultores agroecológicos, a Jornada de Acroecologia é um momento importante de reafirmação da agroecologia. Nesta publicação é abordado como a agroecologia toca as diferentes esferas da vida, se constituindo como prática social, luta e ciência, produzindo alimentos saudáveis e cuidando da terra. Com textos de diversos especialistas da área, a cartilha pode ser lida na ordem dos textos ou não.