Debate público e seminário marcam os 10 anos do Grupo Carta de Belém

Debate público e seminário marcam os 10 anos do Grupo Carta de Belém

De 10 a 12 de abril, diversos representantes de movimentos sociais, organizações e territórios estiveram em Brasília (DF) debatendo as políticas do clima, a financeirização da natureza, bem como os impactos gerados nas comunidades. O encontro marcou os 10 anos de atuação do Grupo Carta de Belém (GCB)¹ – do qual a FASE é parte – no âmbito nacional e internacional.

A abertura contou com um debate público sobre a Geopolítica da questão ambiental e financiamento de Estado, realizado na Faculdade de Educação da UnB, com a participação de Deborah Duprat (MPF), Camila Moreno (GCB), Leticia Tura (FASE/GCB), Luiz Zarref (MST/GCB) e Larissa Packer (Grain/GCB).

Leticia Tura fez a apresentação e resgatou o contexto de surgimento do grupo. “Logo no início o Grupo percebeu que não adiantava só incidir na Conferência Mundial sobre o Clima (COP), se não incidisse nas políticas domésticas”, disse. Já Zarref foi responsável pela mediação e trouxe reflexões para  o público sobre os processos de financeirização da natureza diante do atual cenário político brasileiro.

Para Deborah Duprat, a economia verde “é absurda porque é a capacidade do capital de se reinventar”. Em relação às falsas soluções para redução dos impactos das mudanças climáticas, Camila Moreno explicou que a descarbonização também passou a ser uma programática política.

De acordo com Larissa Packer, em vários momentos de crise mantém-se o sistema econômico com novas tecnologias aliadas às propriedades intelectuais, como aconteceu com os transgênicos e o clima.

“O Estado entra como regulador dos novos mercados diante da escassez para estimular o financiamento, induzindo uma demanda internacionalmente, se baseando nos direitos de propriedade”, completou Larissa. Os relatos sobre as vivências e as dificuldades que as comunidades indígenas, quilombolas, pescadores e agricultores familiares vêm enfrentando ficaram por conta do público presente no auditório Dois Candangos.

O seminário encerrou após rodas de diálogos entre os participantes com discussões como a regularização ambiental, políticas de compensação, mineração e os grandes empreendimentos e ataques ao direito à terra de povos e comunidades tradicionais.

[1] Texto publicado originalmente no site Carta de Belém.

Conteúdo relacionado