Peça marca centenário de Böll e despedida do ano da Fundação

Peça marca centenário de Böll e despedida do ano da Fundação

Debate sobre a peçaCreator: Alex Leist. Creative Commons License LogoEsta imagem está sob licença de Creative Commons.

Na última quinta-feira (15/12), o Solar de Botafogo foi palco do evento de despedida do ano da Fundação Heinrich Böll. Em celebração ao centenário do escritor Heinrich Böll, que ocorre na próxima semana, foi encenada a peça Pontos de Vista de um Palhaço, baseada na obra publicada em 1963 pelo autor. Concebido por Daniel Warren e Maristela Chelala, e encenado por Daniel, o espetáculo despertou a atenção do público pelo humor e pela profundidade dos temas apresentados.

Em seguida, após o espetáculo, houve um debate, com a participação de Daniel e Maristela. Mediado pela diretora da Fundação, Annette von Schönfeld, também contou com a participação de Christina Vital, professora de sociologia da UFF. Annette apresentou um pouco da trajetória do escritor, o mundo no qual viveu – especialmente a Alemanha do pós-guerra –, e sua atuação humanista, trabalhando temas políticos e fazendo uma forte crítica à maneira como a sociedade se organiza. Para Annette, o livro foi muito bem adaptado, embora seja mais denso e sombrio do que a abordagem teatral.

Maristela e Daniel contaram um pouco sobre a concepção da peça a partir do livro homônimo de Böll. Daniel contou de sua paixão pelo palhaço, e a preocupação em utilizar dessa ferramenta para uma abordagem política do cotidiano. “O objetivo do palhaço, para mim, é fazer graça mas subverter a ordem para gerar o debate”, apontou. Maristela lembrou de quanto a amizade com Daniel, e a sintonia em que atuam, contribuiu para o sucesso na adaptação da peça.

A presença de Christina Vital entre os debatedores alimentou a reflexão sobre a questão religiosa. Porque os temas elencados por Böll no livro, assim como em outras de suas obras, sempre perpassam o papel autoritário e conservador do catolicismo predominante na Alemanha de seu tempo – algo que se equivale ao papel da Igreja Católica em parte da história do Brasil e, em alguns aspectos, a linhas evangélicas que surgem no país após a década de 1990. “Ainda há no Brasil a marca judaico cristã”, sintetizou. Christina é co-autora do livro Religião e Política, lançado pela Fundação, em parceria com o Iser, em março.

No diálogo com os mais de 100 convidados, o público elogio a peça e a iniciativa de utilizar a arte para problematizar questões políticas importantes do mundo e do Brasil de hoje. “Foi muito legal esse contato mais direto com a Fundação. Foi uma forma de aumentar a proximidade com os parceiros. Trabalho em uma organização de origem católica, e muitas vezes me identifiquei com algumas questões”, disse Letícia Tura, da Fase. O evento prosseguiu com um coquetel de confraternização.

Estreando em 2017, a peça já foi apresentada no SESC de São Paulo, e em cidades do interior daquele estado. Único ator em cena, Daniel Warren pretende voltar a apresentá-la em 2018. Por hora, o projeto está suspenso porque Daniel está no elenco da próxima novela das sete na Rede Globo, Deus Salve o Rei. O livro Pontos de Vista de um Palhaço pode ser adquirido no site da editora Estação Liberdade.