Grupo Carta de Belém assina declaração contra o mercado de carbono

Grupo Carta de Belém assina declaração contra o mercado de carbono

Conferência Financeirização da Natureza Caravana Itaporã – Creator: Manoela Vianna. Creative Commons License LogoEsta imagem está sob licença de Creative Commons.

Nesta terça (08), o Grupo Carta de Belém assinou o documento abaixo, endossando a posição de 57 relevantes entidades que lutam pelos diretos humanos e pelo meio ambiente na Europa, África, Ásia e América do Norte. Nele, está exposto que o mercado de carbono nunca entregará o que precisa para os países do hemisfério sul, seu povo e sua floresta.

O mercado de carbono não reduz as emissões, não promove uma distribuição igualitária do dinheiro gerado e nunca reconheceu a importância que as comunidades locais tem na proteção da floresta. Publicada nesta segunda semana da COP 21, o documento é atualização de uma declaração base emitida em 2011.

Com as mudanças ocorridas em 4 anos e a situação atual do mercado de carbono, é importante denunciar suas falhas e a sua incapacidade em resolver problemas reais.

 

Acesse o documento completo (em inglês).

Conteúdo relacionado

  • Road show do mercado brasileiro de carbono

    Quem participou da Conferência das Partes (COP-16) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC na sigla em inglês) em Cancún, não pôde deixar de ficar impressionado com a participação e a apresentação do Brasil naquele espaço. Isto é, antes de mais nada, do governo e do setor empresarial.

    por Dawid Bartelt
  • Campanha reivindica o fim do comércio de licenças de emissão de carbono

    “É hora de desmontar o ETS!” – com essa exclamação, mais de 90 organizações sociais do mundo inteiro apresentaram uma petição que reivindica a abolição do esquema de comércio de emissões e a abertura para um regime capaz de reduzir as emissões de gases do efeito estufa até 2020.

    por Hanna Marzinkowski

0 Comments

Adicione

Adicione