COP 21: perdas e danos dos países em desenvolvimento no centro do debate

COP 21: perdas e danos dos países em desenvolvimento no centro do debate

COP 21Foto com os chefes de Estado e lideranças dos países presentes na COP 21 – Creator: UNclimatechange. Creative Commons License LogoEsta imagem está sob licença de Creative Commons.

O discurso dominante até agora no evento é que a COP 21, em Paris, é o começo de tudo, o que me parece no mínimo hipócrita e irresponsável por parte dos governantes. Quem está vivendo o impacto do clima não pode esperar. Os líderes estão no tempo errado. É importante registrar que a ideia de um acordo vinculante não é consenso e tem forte oposição de alguns países capitaneados pelos Estados Unidos.

Vários temas estão em debate neste momento, como a mitigação de danos, adaptação e a questão do financiamento, ainda longe de ser equacionado, tanto no aspecto do montante quanto na divisão entre quanto irá para ações de mitigação e quanto para adaptação. Perdas e danos é um tema caro para os países em desenvolvimento, em especial os que já estão sofrendo diretamente com a mudança climática e os próprios INDCS que, no seu conjunto, com todas as propostas colocadas na mesa, não conseguem chegar perto daquilo que se definiu como o aumento máximo possível até 2050, ou seja, menos de 2 graus centígrados.

O cálculo que se faz é de que a temperatura, segundo as propostas existentes, chegará a mais de 3º centígrados, o que demonstra que nosso futuro não será dos melhores se mantivermos as posições que hegemonizam e tendem a definir o acordo de clima aqui em Paris.

No âmbito da sociedade civil, a Coalizão francesa  realizou uma reunião dos membros da comissão facilitadora internacional tentando começar a pensar sobre o movimento no pós 2015. Questões: como manter o movimento? Como ampliar e reduzir sua característica mais européia? Que temas ou causa seriam importantes? Como realizar ações visíveis e com narrativas claras sobre nossa visão crítica ao modelo vigente, neo-liberal/capitalista?.

As ideias e propostas são muitas. Há um claro reconhecimento da necessidade de uma estratégia em comum, ainda que os grupos sejam distintos. Mantê-los articulados e fortes é o principal desafio.

Neste momento, o debate é intenso e o consenso começa a ser construído.

Conteúdo relacionado

  • Os principais desafios que o mundo debate em Paris

    Com o objetivo de assegurar que os acordos estejam assinados no fim do evento, dia 11 de dezembro, o foco será em um “Pacote Climático de Paris” (Paris Climate Package), em que outras decisões também sejam encaminhadas, além do acordo jurídico universal negociado pela ADP. Leia mais no artigo da pesquisadora Camila Moreno que está em Paris acompanhando a COP21

    por Camila Moreno
  • O complexo debate internacional sobre o REDD

    Para alguns, um mecanismo de compensação poderia incentivar os países a impedirem o desmatamento e, assim, reduzir as emissões. No entanto, este mecanismo econômico relativamente simples é controverso e, segundo especialistas, pode ser considerado uma falsa solução. Entenda no artigo de Maureen Santos. 

    por Maureen Santos
  • Grupo Carta de Belém se posiciona sobre decreto que cria comissão do REDD

    Coerente com sua postura histórica nas negociações preparatórias à COP 21 em relação a não abrir as portas para a geração de créditos de compensação (offsetting) nas ações de REDD+ (Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação), o governo brasileiro publicou na sexta feira, dia 27 de novembro, o Decreto 8.576 que institui a Comissão Nacional para REDD+.

0 Comments

Adicione

Adicione